fev 01

Governo discute união de TIM e Vivo


Mercado recebe com ceticismo a possibilidade de mudança de regras para além da compra da BrT pela Oi

A possibilidade de mudar as regras do setor de telecomunicações para permitir uma fusão entre TIM e Vivo foi discutida em 31/01 na reunião do ministro das Comunicações, Hélio Costa, com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff. A Telefônica é acionista das duas operadoras móveis que, juntas, teriam 53,5% do mercado nacional.

O tema mostra a preocupação do governo com a potencial repercussão negativa de uma mudança de regras para permitir a compra da Brasil Telecom (BrT) pela Oi (antiga Telemar). Antes disso, já lançou mão de um discurso nacionalista, para formação de “uma grande operadora nacional”, e da universalização da banda larga como justificativas para a mudança.

O governo teme ser acusado de beneficiar a Oi, que investiu na empresa do filho do presidente Lula. A Andrade Gutierrez, acionista da Oi, foi a maior doadora do Partido dos Trabalhadores no ano passado. No começo da semana, o ministro das Comunicações, Hélio Costa, indicou que estavam em estudo mudanças mais profundas no modelo das telecomunicações, contemplando demandas de outros grupos.

Por meio de sua assessoria, a TIM informou que sua controladora, a Telecom Italia, afirmou ser “destituída de fundamento” qualquer informação a respeito de uma fusão com a Vivo. A Telefônica preferiu não comentar o assunto. A união entre Vivo e TIM é apontada como uma das mudanças na regulamentação que agradariam ao grupo espanhol, compensando a permissão da compra da BrT pela Oi.


Segundo fontes do mercado, a proposta não foi bem recebida por executivos da Oi e da BrT. A união das empresas seria uma forma de fortalecê-las contra a concorrência dos mexicanos da Telmex/América Móvil, donos da Embratel e da Claro, e dos espanhóis da Telefônica. Não faria sentido criar a empresa nacional se os concorrentes também fossem fortalecidos. Outras fontes viram na proposta uma “cortina de fumaça” para permitir a união entre a Oi e a BrT.

A possibilidade de unir a TIM e a Vivo seria interessante para a Telefônica, mas não parece ser um movimento de curto prazo. Os espanhóis vivem uma queda-de-braço com sua sócia Portugal Telecom na Vivo. Eles já anunciaram que querem comprar, mas a negociação é difícil, já que os dois grupos detêm participações iguais, de 50%, na operadora.

A principal demanda dos mexicanos, que seria o fim do limite de 49% ao capital estrangeiro na TV a cabo, depende de uma mudança de lei. Ou seja, não está sujeita a um decreto presidencial, como é o caso da compra da Brasil Telecom pela Oi. E já existe no Congresso um projeto de lei que prevê essa mudança. A Embratel divide o controle da Net com as Organizações Globo

No começo da semana, o presidente da TIM Participações, Mario Cesar Pereira de Araujo, disse que o governo garantiu aos acionistas da TIM que iria manter a isonomia competitiva, sem criar assimetrias regulatórias. Em contrapartida, os italianos asseguraram ao governo que não haverá fusão da operadora italiana com a Telefônica.

Fonte: Estadão


[BBL]telecom, anatel, celular, operadoras, tim, vivo, brasiltelecom, oi, telecomunicações, noticia [/BBL]

Escrito por Airton

Um Comentario para “Governo discute união de TIM e Vivo”

  1. PABLO Escreveu:

    OS SINAIS NO MERCADO ESTAO TODOS, BASTA SABER LER A TIM COM PRIMEIRA COISA QUE ELA FEZ DEPOIS QUE A TELEFONICA ENTROU NO CAPITAL DA TELECOM ITALIA, FOI COMPRAR UMA OPERADO DE TELEFONIA FIXA A ITELIG. E DEPOIS FOI A VEZ DA TELEFONICA QUERER COMPRAR OS 50% DA PORTUGAL TELECOM NA VIVO, QUE EM TEORIA SEGUNDO A TELEFONICA A COMPRA DA VIVO SERVIRIA SO PARA A FUSAO COM A TELESP, PARA ASSIM CRIAR A MOVISTAR BRASIL.MAS A TELEFONICA COMEçOU A LAçAR CRITICAS CONTRO O GOVERNO PORQUE ELE PERMITIU A A FUSAO DA OI COM A BRASIL TELECOM E ASSIM NASCENDO A OI BRASIL. SE O GOVERNO ACEITAR A FUSAO DA TIM COM A VIVO A TELEFONICA PODE UNIR AS OPERAçOES DA TIM DA VIVO DA INTELIG E TELESP EM UMA SO COMPANHIA A MOVISTAR BRASIL.
    A TELEFONICA TAMBEM SABE QUE A ARGENTINA ESTA COPIANDO EM MODO CONCISTENTI O MODO DE GOVERNO BRASILEIRO E SE O BRASIL DESSE A PERMIçAO DA FUSAO DA VIVO E DA TIM MUINTO PROVAVEL MENTE DEICHARIA FAZER A FUSAO DA TELEFONICA ARGENTINA COMA A TELECOM ARGENTINA E DEPOIS DE TER RESOUVIDOS A SITUAçA DESSES DOIS MERCADOS ESTRAEGICOS PARA ELA. ELA VAI PODER FAZER A FUSAO FINAL COM A TELECOM ITALIA CRIANDO A TELEFONICA ITALIA. EU PESSO QUE MAIS POSSIVEL QUE CONTINUE A MARCA TELEFONICA O MOVISTAR A SER PREDOMINANTE NO MERCADO.

Deixe seu comentário