jul 26

Susto a 9 mil metros


Tensão no ar e pouso forçado nas Filipinas

Parte da fuselagem de um Boeing que ia para a Austrália se desprendeu, causando despressurização em pleno vôo

acidente avião rompeu fuzilagem

Do lado de fora, o rombo de cerca de três metros na fuselagem do Boeing-747 da Qantas Airways assusta.

Do lado de dentro, os 345 passageiros a bordo respiraram aliviados, ontem, quando o avião conseguiu completar o pouso de emergência em Manila, nas Filipinas, depois que o buraco aberto provocou a despressurização da aeronave.

– Nós ouvimos um ruído muito grande. Logo depois, o avião tremeu e as máscaras de oxigênio começaram a cair – contou a passageira June Kane, depois do susto.

O jumbo da companhia australiana Qantas tinha saído da capital britânica, Londres, com destino a Melbourne, na Austrália. O incidente ocorreu cerca de uma hora após uma escala feita em Hong Kong, na China. O piso da cabine cedeu, deixando à vista o compartimento de carga quando a aeronave sobrevoava o Mar do Sul da China. Parte do teto do Boeing também desabou. Imediatamente, o piloto reduziu a altitude, que era de 9 mil metros – um procedimento adotado para tentar igualar ao máximo as pressões interna e externa, segundo o diretor do curso de Ciências Aeronáuticas da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Elones Fernando Ribeiro. Apesar da tensão, ninguém ficou ferido.



Manobra feita por piloto foi elogiada
– O mais traumático foi quando descemos e vimos o buraco. Nos demos conta da sorte que tivemos – afirma o passageiro Phil Rescall.

As causas para a chamada despressurização explosiva – quando uma parte quebrada ou furada do avião leva à despressurização – ainda estão sendo apuradas. Alguns passageiros relataram terem ouvido uma explosão, sucedida pela queda das máscaras de oxigênio, mas as investigações preliminares descartam a possibilidade de um atentado ou uma sabotagem.

– Pode ser que tenha ocorrido uma fadiga do material do avião – opina Ribeiro, que afirma que despressurizações deste tipo não acontecem com freqüência.

O presidente da Qantas – a maior companhia aérea australiana – , Geoff Dixon, elogiou os pilotos e os outros 19 tripulantes pela forma como lidaram com o incidente:

– Trata-se de uma situação altamente incomum e a tripulação respondeu com o profissionalismo pelo qual a nossa companhia aérea é conhecida.

Uma das passageiras, Glenyce Johnson concorda:

– Tenho que cumprimentar o piloto por fazer um bom trabalho e pousar o avião com segurança.

Saiba mais

– Os aviões comerciais são pressurizados por causa da diferença de pressão existente entre a parte interna e a parte externa da aeronave. Se não fosse assim, a pressão do lado de dentro do avião ficaria muito grande, causando prejuízos ao organismo humano.

– Quando a despressurização acontece, a primeira providência a ser tomada pelo piloto é a colocação da máscara de oxigênio. Em seguida, ele vai reduzir a altitude do vôo, para tentar igualar as pressões – exatamente como fez o piloto da Qantas Airways.

– Os passageiros também colocam as máscaras – sem elas, aos poucos, a pessoa perderia a consciência.

Fonte: Professor da PUCRS Elones Fernando Ribeiro

Zero Hora Edição de Sábado 26 de Julho de 2008 [BBL] Avião, Aéreo, Trafego Aéreo, Acidente Aéreo, Susto no Ar, Boing 747, Jumbo, [/BBL]

Escrito por Airton \\ tags: , , , , , , , , ,

Um Comentario para “Susto a 9 mil metros”

  1. Silva Escreveu:

    Olá amigo, vim aqui para deixa o link onde estão todas as obras do Cientista Herbert Alexandre Galdino Pereira da área de Eletromagnetismo Aplicado e Aviónica. Ele é autor da Teoria do Triângulo das Bermudas, que visa explicar o que ocorre com os aviões ao entrarem nessa zona, Teoria dos Celulares e Eletricidade Estática, e Orientação aos Aviadores Brasileiros ao voarem a Serra do Cachimbo, em Mato Grosso, pois existe campo Magnético na área do Brasil (relaciona-se ao vôo 1907 e com o Tráfico Aéreo). Entre outras obras.
    Deixo o Link aqui em baixo para Leitura e Downloads das Obras deles.

    http://www.scribd.com/people/documents/13555060-fuma-a

    Um abraço.

Deixe seu comentário