nov 23

Os perigos que rondam nossos filhos


Reportagem Jornal Zero Hora Domingo 23 de novembro de 2008

Eles cresceram assistindo a cenas de violência pela TV. Quando começaram a freqüentar suas primeiras festas, ouviam falar do que tinha acontecido com o amigo de um colega. Hoje, a maioria já tem a própria história para contar. Acossados pelo medo, adolescentes e jovens de classes média e alta viraram reféns de seus próprios comportamentos.

Oque assusta nem é mais o risco de ser vítima de um ataque: é a banalidade que pode transformá-lo em morte. O tênis de que mais gostam, o celular da última moda, os lugares que freqüentam. Qualquer um deles serve de pretexto para um crime, como alertam as mortes de Igor Santos Carneiro, 18 anos, atingido por bala perdida na saída de uma festa com bebida liberada, e de Rafael Ferreira da Rosa, da mesma idade, assassinado por um bando que roubou seu skate.


Durante um bate-papo sobre o tema promovido por Zero Hora e Kzuka com estudantes do Ensino Médio do Colégio La Salle Santo Antônio, na Capital, foi difícil encontrar algum que não tivesse experiência traumática para contar. Mesmo tendo 17 anos, a aluna Liz Boschi, do 3º ano, estava na festa em que Igor foi morto. Ouviu três tiros. Lembra da correria, da gritaria. Do pânico. Desde então, tem medo de sair. Uma semana depois, durante um passeio de dia, viu um jovem apontando um objeto para a própria cabeça. Ficou tão apavorada que quase chorou, imaginando se tratar de uma arma. O rapaz só estava ouvindo um MP3.

– Parece que pode acontecer qualquer coisa, em qualquer lugar. Antes, a violência parecia uma coisa longe, que nunca ia acontecer com a gente. Em festas com bebida liberada não vou mais – decidiu.

Entre seus colegas, quase todos já foram assaltados. Não é coincidência. Ávidos por novidades tecnológicas, como celulares, iPods e máquinas digitais, os adolescentes se tornam alvos cada vez mais cobiçados pelos criminosos, analisa o responsável pela Delegacia para a Criança e o Adolescente Vítimas de Porto Alegre, Anderson Spier. Além de carregarem objetos de valor, são vítimas mais fáceis.

Embora lamentem as perdas materiais, o que mais incomoda os adolescentes é a perda de um porto seguro.

– Hoje não tem mais lugar onde isso não acontece. Nem em shopping dá pra ir mais, tem um monte de bonde (arrastões de gangues) – protesta Paula Pessini, 16 anos, do 3º ano.

Na conversa, os estudantes oscilam entre a consciência do perigo e a revolta contra a limitação de movimentos.

Para a psiquiatra Olga Falceto, professora do departamento de psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, esse é um dos dilemas que os pais precisam enfrentar.

– Está todo mundo desorientado. O jovem quer espaço, e os pais ainda estão querendo passar ordens, como se os filhos fossem crianças. Isso não funciona, tem de buscar o diálogo. Não adianta entrar em pânico – adverte.

Se os jovens não vão deixar de usar roupas de marca, uma conversa em casa pode ajudar a estabelecer onde e quando exibi-las, orienta a psicóloga Paula Hintz Baginski, especialista em infância, adolescência e famílias:

– Não adianta proibir. É possível pensar regras conjuntas e chegar a um meio termo, negociando.

Mesmo adorando roupas de marca, o estudante Artur Figueiró, 16 anos, deixou de usá-las todos os dias. Aos 12 anos, lembra ter sido perseguido por assaltantes em um passeio ao zoológico. Para ele, a prevenção é opção. No caso de Malú Ferreira da Rosa, 16 anos, irmã de Rafael, é uma condição. Traumatizada pela morte do irmão a duas quadras de casa, hoje só sai para ir à escola. Deixou de sair até para as aulas de inglês. Duas vezes por semana, o professor é que vai à sua casa.

– Sinto falta de sair com meus amigos, mas tenho medo. A gente tem de ficar trancado em casa, enquanto os bandidos estão na rua – desabafa.

Mas quem são esses criminosos? Boa parte dos que praticam violência contra jovens também são jovens, lembra o psicólogo Saul Dias. Quem mata por um tênis responde ao sonho de consumo de uma sociedade que ensina que quem usa uma roupa de grife vale mais. E isso precisa ser tratado.

– Um problema central dessa violência toda é a ausência dos pais em casa. As famílias não almoçam mais juntas, os vínculos estão se perdendo. Quem são os modelos desses jovens violentos? – questiona Dias.

alvos_ambulante


Escrito por Airton \\ tags: , , , ,

2 Comentarios para “Os perigos que rondam nossos filhos”

  1. Maria Souza Escreveu:

    Difícil darmos uma opinião precisa para a questão da violência diária.
    Se o remédio fosse realmente a falta da presença dos pais na vida dos filhos, o que diríamos de crianças de orfanatos? seriam todos bandidos, assassinos? Claro que não!
    O que poderíamos atribuir ao comportamento do pai e madrasta da menina brutalmente assassinada em São Paulo, Isabela? Seus pais teriam lhes dado uma criação insana??? Claro que não!
    Dizer, igualmente, que a mídia nos insita a termos griffes no guarda-roupas, também não julgo ser a melhor resposta para tanto roubo.
    Genética? quem sabe.
    Aqui em Porto Alegre tivemos o caso de um rapaz (se é que se pode denominar assim) que foi criado por religiosos ao ser retirado de um orfanato.
    Matou à facadas seus pais adotivos, cruelmente, por dinheiro, pelo que lhe caberia herdar. Mas desde pequeno estes pais lhe ensinaram (classe alta) o que era amor, dignidade, respeito. Novamente não obtenho resposta a esta sangria de assaltos, estupros e mortes por coisas e fatos banais.
    Teve o depoimento na Coluna do respeitável jornalista de Zero Hora que o Airton colheu esta matéria, onde a mãe de um amigo deste menino assassinado no auge de seus 18 anos que diz que espécie de mãe é esta que não conhecia seu filho e deixou que matasse por um par de tênis.
    Eu escreví retrucando esta posição, porque entendo, também como mãe de adolescente, que procuramos desde o embrião darmos amor a estes seres, não importando aí sua classe social. Pobres, ricos, todos apresentam seus filhotes num belo porta-retrato em suas casas, por mais humilde que seja sua moradia.
    Então creio que o problema de origem está na falta de segurança que deve ser atribuição dos governos sejam municipais, estaduais ou federal.
    Se tivermos um policiamento ostensivo e eficaz (não este que atira sem olhar para quem), certamente poderemos andar pelas ruas portando tênis de marca, celulares de última geração, roupas bem talhadas, porque a cada esquina teremos a proteção policial para nos assegurar o retorno tranqüilo ao nosso lar.
    É minha opinião. Maria Souza – Porto Alegre – RS
    Parabéns conterrâneo por abordar este tema.

  2. Sissy Escreveu:

    Isto é apavorante, mas real. Bons tempos aqueles que tive oportunidade de “degustar”… e nem faz tanto tempo assim.

Deixe seu comentário