mai 03

perdadeaudicao

Recentemente, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística divulgou novo dado do Censo 2012 com informações sobre a situação da perda auditiva os brasileiros. A pesquisa avaliou pessoas com problemas e constatou que mais de nove milhões de cidadãos declararam ter algum tipo de deficiência auditiva. Deste total, 347 mil pessoas afirmaram não conseguir ouvir de modo algum. Quase 1,8 milhão disseram ter grande dificuldade e 7,5 milhões relataram alguma limitação.

  1. Apenas idosos perdem a audição no decorrer da vida.
    Mito.
    A perda da audição na terceira idade, chamada cientificamente de presbiacustia, é muito comum, pois o sistema auditivo tem sua função alterada com o envelhecimento. No entanto, não existe faixa etária para se ter um problema auditivo, já que diversas são as causas. Qualquer individuo que convive com sons intensos diariamente, por exemplo, pode ter sua audição comprometida.
  2. Zumbido no ouvido e sensação de tontura são alguns sintomas de perda auditiva.
    Verdade.
    Assim como zumbido e sensação de tontura, apresentar dificuldade de entender outra pessoa e ter vertigem também são indícios do problema.
  3. A perda auditiva é reversível.
    Mito.
    Quando é diagnosticado que o paciente comprometeu as estruturas internas do ouvido o quadro é irreversível.
  4. Pessoas que trabalham com sons intensos, como motorista de ônibus e motocicleta, Djs, pedreiros e operários , precisam usar o protetor auricular.
    Verdade.
    O protetor auricular é um recurso para evitar a perda auditiva, portanto, pessoas que estão expostas a sons intensos devem aderir ao protetor.
  5. Sons que atingem 120 decibéis (dB) são saudáveis à audição.
    Mito.
    O limite considerado tolerável à audição é no máximo 85 dB. Se o som ultrapassar esse limite, a audição pode ser comprometida. A relação tempo de exposição e intensidade sonora também deve sempre ser levada em consideração.
  6. Perder a audição traz consequências psicossociais ao indivíduo.
    Verdade.
    A perda auditiva também pode trazer consequências psicossociais, favorecendo o isolamento por conta da dificuldade de comunicação com as pessoas. Por conta do afastamento e da falta de atenção e diálogo com familiares e amigos, o indivíduo passa a se sentir constrangido e entra em um quadro depressivo, principalmente na terceira idade.
  7. Não é necessário fazer exame para detectar a perda auditiva.
    Mito.
    Em alguns casos, o médico otorrinolaringologista detecta o problema durante a consulta, mas é necessário realizar o exame audiométrico para ter o diagnóstico concreto. Exames complementares também podem ser necessários para um diagnóstico adequado.




Escrito por Airton \\ tags: , , , , , , , , ,

abr 09

Estudar à distância, conectado na web, deixou de ser um hábito estranho. O número de alunos que têm aulas via internet cresce a cada ano. A modalidade pode se tornar ideal para quem quer estudar e mora longe da universidade ou não tem tempo de frequentar aulas regulares. Reunimos cinco ideias sobre Ensino à Distância (EAD) e explicamos por que elas são verdadeiras ou falsas.

 

1. Os empregadores preferem candidatos com cursos presenciais.

Mentira. Ainda há o preconceito, é claro, mas aos poucos o mercado de trabalho começa a se dar conta, entre outras coisas, que quem faz EAD desenvolve habilidades como autonomia na hora de resolver problemas, responsabilidade, organização, disciplina e, principalmente, percepção para analisar e filtrar informações.

2. O aluno pode aprender sem o professor por perto, sem o “olho no olho”.

Verdade. Os professores de EAD também ensinam e cobram, como ocorre nas salas de aula. Mas não é porque o aluno não está vendo o professor que ele não vai aprender. O sucesso das redes sociais prova que o virtual pode ser mais eficaz do que o presencial.

3. EAD não tem professor nem aula, e o aluno estuda a hora que quer.

Mentira. Na EAD, professor também cobra, existem encontros presenciais, e o curso também exige bastante dedicação. O que muda é a metodologia de ensino, que vai ser mais eficaz para uma pessoa, mas pode não ser para outra.

4. Para fazer EAD tem que ser disciplinado.

Verdade. Pessoas pouco disciplinadas, pouco comprometidas ou que necessitam de alguém cobrando o tempo inteiro não serão boas candidatas a um curso à distância. Apesar da cobrança, EAD exige que a pessoa se vire bem sozinha.

5. EAD é cômodo, pois realiza o “sonho” de muitos alunos que não gostam de ser cobrados pelo professor.

Mentira. EAD não evita o vínculo entre professor e aluno, que interagem por meio de e-mail, mensagens instantâneas ou chats. Quem acha que é mais fácil estudar à distância se decepciona, porque há cobranças semanais para entrega de trabalhos.

Palavra de especialista:

Normalmente, o aluno tem que ter um alto nível de autonomia, porque esse tipo de ensino depende muito dele. Se ele for uma pessoa organizada, está apto. Atualmente, um entre sete alunos de ensino superior utilizam o sistema de ensino à distância para aprimorar seu currículo. A procura por cursos à distância são basicamente de quem já tem uma formação e procura uma segunda, ou que já está no mercado de trabalho e busca a flexibilidade de horários que os cursos proporcionam. Ainda existe um certo preconceito do mercado em relação a esse tipo de profissional. Mas está mudando. Só para termos uma ideia, na última avaliação do Enem, os alunos das turmas de EAD foram melhor avaliados do que os das turmas presenciais.




Escrito por Airton \\ tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,